Skip to content

Artrose do Quadril

O que é artrose do quadril?

A artrose ou osteoartrite do quadril é um processo de degeneração e desgaste da cartilagem que reveste a cabeça do fêmur e o acetábulo (região da bacia onde a cabeça do fêmur se encaixa), bem como de inflamação nessa articulação.

Artrose do Quadril | Dr. Felipe Bessa
Figura ilustrando um quadril normal na primeira imagem e um quadril com artrose na segunda imagem, evidenciada pelo desgaste da cartilagem articular tanto da cabeça do fêmur quanto do acetábulo e inflamação na articulação

Por que ela se desenvolve?

A artrose do quadril é uma doença que está associada a idade avançada e acomete mulheres com maior frequência do que homens. Essa associação de idade e gênero tem uma importância maior para casos de artrose primária do quadril, ou seja, artrose que não é secundária a uma outra doença.

Entretanto, a artrose do quadril pode ocorrer em adultos jovens, ou mesmo adolescentes, como consequência de alguma doença no quadril, sendo chamada de artrose secundária. As principais patologias que podem evoluir para artrose no quadril são:

  • osteonecrose da cabeça do fêmur: patologia que cursa com uma deficiência no suprimento sanguíneo para a cabeça do fêmur, levando a morte do osso nessa região.
  • impacto femoro-acetabular: patologia que afeta geralmente pacientes jovens e praticantes de atividade física e ocorre por um contato anormal entre o fêmur e o acetábulo, causado pela presença de uma saliência óssea em uma ou ambas as estruturas.
  • fraturas do quadril: pacientes que sofreram uma fratura no quadril, seja no fêmur ou no acetábulo, principalmente quando jovens, podem evoluir com artrose do quadril anos após a ocorrência da fratura; isso acontece pois mesmo uma pequena deformidade residual após a correção da fratura, pode ao longo dos anos, gerar uma desgaste na cartilagem, que progride com o passar do tempo.

Além disso, condições como sobrepeso ou obesidade, atividades físicas extenuantes e fatores genéticos ainda não muito bem esclarecidos, também estão relacionados ao aparecimento da artrose no quadril em pacientes sem patologias primárias nessa articulação.

Além dessas doenças de adultos, diversas condições patológicas que ocorrem em crianças e adolescentes também podem causar artrose de quadril na vida adulta, tais como:

  • displasia de desenvolvimento do quadril: antigamente chamada de luxação congênita do quadril, é uma patologia que afeta recém-nascidos, na qual a cabeça do fêmur não está adequadamente coberta (encaixada) pelo acetábulo, levando a uma incongruência entre a cabeça femoral e a bacia, podendo levar ao desenvolvimento de artrose ao longo dos anos.
  • doença de Legg-Perthes: patologia na qual há uma interrupção do aporte sanguíneo para a cabeça do fêmur, afetando crianças entre 4 e 8 anos de idade; isso leva a uma deformidade da cabeça do fêmur, que ao longo dos anos pode causar artrose do quadril.
  • epifisiolistese: patologia na qual há um escorregamento da parte de cima da cabeça do fêmur do restante do fêmur, por uma fraqueza da cartilagem de crescimento, afetando pacientes na adolescência; assim como nas outras doenças citadas, a deformidade residual gera um desgaste da cartilagem do quadril, levando à artrose anos após a ocorrência da doença.
  • pioartrite de quadril: é uma infecção bacteriana que ocorre dentro da articulação do quadril, podendo afetar recém-nascidos e crianças; a ação bacteriana leva à degradação da cartilagem articular, resultando em artrose precoce nesses pacientes.

Quais são os sintomas da artrose do quadril?

Os principais sintomas da artrose do quadril são:

  • dor: geralmente sentida na região da virilha, mas também pode ser sentida na coxa, glúteo e até mesmo na região lombar; inicialmente, a dor ocorre em atividades mais intensas, como correr, subir ou descer escadas, e caminhadas longas; com o passar do tempo e avanço da doença, ela ocorre em atividades mais leves, como caminhadas curtas no plano, ou mesmo em repouso e durante o sono, causando importante limitação aos pacientes.
  • perda da mobilidade do quadril: o paciente percebe uma perda gradativa da mobilidade do quadril afetado; inicialmente esse sintoma não é relevante; com o avanço da doença, o paciente começa a apresentar dificuldade para calçar meias, amarrar calçados e cortar as unhas do pé. Pode também apresentar dificuldade para ficar sentado em cadeiras ou poltronas baixas.
  • encurtamento do membro: devido ao desgaste da cartilagem, e em alguns casos extremos, devido à perda óssea no quadril, o membro “sobe” em comparação à perna do outro lado, fazendo com que o membro inferior afetado fique mais curto que o membro sadio (nos casos em que apenas um quadril é afetado).
  • estalos no quadril: alguns pacientes referem sentir estalos, chamados tecnicamente de crepitações, ao realizar movimentos com o quadril portador de artrose.

Como a artrose do quadril é diagnosticada?

Além dos sintomas descritos pelo paciente e pelo exame físico minucioso realizado pelo Especialista em Quadril, a confirmação do diagnóstico de artrose do quadril é feita com exames de imagem, principalmente o RX e a Ressonância Magnética. 

O RX evidencia casos de artrose iniciais, moderados e avançados, além de mostrar o formato e congruência da cabeça do fêmur com o acetábulo. Já casos muito iniciais são diagnosticados apenas com a Ressonância Magnética.

Artrose do Quadril | Dr. Felipe Bessa
A primeira imagem é um RX sem alterações, evidenciando um espaço articular preservado nos dois quadris. A segunda imagem evidencia uma artrose avançada no quadril direito, com perda do espaço entre a cabeça do fêmur e o acetábulo

Além disso, a Ressonância Magnética evidencia alterações como:

  • irregularidades condrais: irregularidades na superfície da cartilagem articular, indicando desgaste inicial na articulação.
  • afilamento condral: perda da espessura da cartilagem, indicando desgaste mais acentuado do que apenas irregularidades condrais.
  • cistos subcondrais ou cistos subcorticais: presença de defeitos ósseos no acetábulo e/ou cabeça do fêmur; são pequenos buracos por perda ósseoa, decorrente do desgaste.
  • osteófitos marginais ou esboços osteofitários: saliências ósseas que se formam na borda do acetábulo e/ou cabeça do fêmur, tradicionalmente conhecidos como “bico de papagaio”, presentes em qualquer articulação com artrose.
  • degeneração do lábio acetabular: essa estrutura recobre a borda do acetábulo, e em quadris com artrose, ele apresenta desgaste assim como a cartilagem

Como é o seu tratamento?

O tratamento da artrose do quadril se inicia com medidas conservadoras como perda de peso, mudanças de atividades que desencadeiam a dor, uso de medicações analgésicas e anti-inflamatórias, Fisioterapia, fortalecimento leve e uso de apoios de marcha como muletas ou bengala.

Nos casos não avançados, ou seja, iniciais ou moderados, em que o tratamento inicial não é eficaz, podem ser realizadas infiltrações na articulação com:

  • ácido hialurônico: procedimento chamado de viscossuplementação; é um gel viscoso que contém componentes do líquido articular e ajuda na lubrificação da articulação, promovendo uma melhora da dor e da mobilidade, provisoriamente.
  • PRP: é o plasma rico em plaquetas; produzido com a centrifugação do sangue do próprio paciente, tal substância contém alta concentração de plaquetas, que possuem propriedades reparadoras e anti-inflamatórias, ajudando a articulação com artrose.
  • células mesenquimais: tais células podem ser obtidas da medula óssea ou do tecido gorduroso do próprio paciente, e assim como o PRP, possuem propriedades reparadoras, regenerativas e imuno-moduladoras; são tradicionalemente, porém de forma errada, chamadas de células tronco.
Infiltração articular
Imagens ilustrando o procedimento de infiltração articular para tratamento de artrose inicial e moderada no quadril

Além disso, pode-se associar aos procedimentos acima descritos, a radiofrequência ou ablação nervosa, procedimento no qual queima-se os nervos responsáveis por levar o estímulo doloroso da articulação para nosso cérebro, promovendo melhora da dor por até 2 anos.

Já em casos avançados ou que não melhoraram com o tratamento não cirúrgico, está indicada a prótese de quadril. Nesse procedimento é feita a substituição da articulação com artrose por uma prótese metálica, que promove melhora total ou quase total da dor, mobilidade e capacidade de andar. Por apresentar um resultado tão satisfatório para os pacientes, ela foi eleita a Cirurgia do Século pela Revista Lancet, uma das mais renomadas do mundo científico.

Imagem ilustrando uma prótese de quadril
Imagem ilustrando uma prótese de quadril e RX de bacia evidenciando uma prótese de quadril realizada para tratar artrose avançada no quadril direito.

O desenvolvimento de próteses modernas e técnicas cirúrgicas avançadas (como a via anterior) permitiu que pacientes cada vez mais jovens fossem submetidos a essa cirurgia, com uma maior durabilidade que no passado, além da ocorrência cada vez menor de complicações.

Além disso, a reabilitação foi facilitada, e os pacientes costumam receber alta em 1 ou 2 dias após a cirurgia, com pouca dor, e andando já no dia seguinte da cirurgia.

Abaixo, vídeo realizado em parceria com a Salvapé, explicando um pouco sobre a artrose do quadril e seu tratamento.

O tratamento ideal deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa.
Consulte um especialista em quadril.

Referências
Sociedade Brasileira de Quadril (https://www.sbquadril.org.br/)
OrthoInfo (https://orthoinfo.aaos.org/)
Mayo Clinic (https://www.mayoclinic.org/)
American Association of Knee and Hip Surgeons (https://www.aahks.org/)

FAQ

Como curar artrose no quadril?

A artrose no quadril não tem cura, e sim tratamento. Casos leves e moderados podem ser tratados com perda de peso, mudanças de hábitos de vida, Fisioterapia, medicações e infiltrações. Já em casos avançados, o paciente precisa ser submetido à prótese de quadril, cirurgia na qual substitui-se a articulação com desgaste por uma prótese metálica.

Quem tem problema no quadril pode fazer academia?

Quem tem doenças no quadril pode e deve fazer fortalecimento, porém com cargas leves, respeitando a dor na articulação e com orientação de Fisioterapeuta ou Educador Físico. Além disso, exercícios com impacto devem ser evitados.

Qual o melhor exercício para quem tem artrose no quadril?

Exercícios de fortalecimento leves, com movimento lento e sem impacto. Hidroginástica, caminhadas no plano e Fisioterapia são alguns exemplos.

Qual é o sintoma de artrose no quadril?

O principal sintoma da artrose no quadril é dor no quadril, geralmente sentida na região profunda da virilha, mas também pode ser sentida na coxa e parte de fora do quadril. Além disso o paciente apresenta perda de mobilidade no quadril e dificuldade para caminhar.

Back To Top