Skip to content

Cirurgias no Quadril

As principais cirurgias no quadril são a prótese de quadril, descompressão da cabeça do fêmur, artroscopia de tratamento cirúrgico de fraturas de fêmur.

O quadril é a articulação composta pela junção da cabeça do fêmur com o acetábulo, que é a cavidade da bacia onde a cabeça do fêmur está encaixada.

Introdução

Além das estruturas ósseas, existem outras estruturas importantes no quadril, sendo as principais delas:

  • Lábio acetabular: feito de fibrocartilagem, recobre a borda do acetábulo e exerce diversas funções importantes no quadril, tais como estabilização da articulação, selo de sucção, aprofundamento da cavidade e absorção de impacto
  • Cartilagem articular: feita de água, colágeno tipo 2 e proteínas, além das células, os condrócitos. Sua principal função é permitir um movimento sem atrito entre a cabeça do fêmur e o acetábulo, gerando boa mobilidade e ausência de dor na articulação
  • Músculos e tendões: realizam os movimentos da articulação; os principais são os adutores, abdutores (glúteos médio e mínimo), piriforme, iliopsoas e quadríceps

Qualquer uma dessas estruturas pode apresentar algum tipo de lesão e vamos discutir aqui as principais cirurgias no quadril, realizadas para o tratamento dessas lesões.

Principais Cirurgias no Quadril

Prótese de quadril

A prótese de quadril, também chamada de artroplastia de quadril ou prótese de cabeça do fêmur é a cirurgia na qual se faz a substituição da articulação original por uma articulação artificial, feita de metal, que vai exercer as mesmas funções de uma articulação saudável.

Cirurgias no Quadril - Prótese no Quadril | Dr. Felipe Bessa
Imagens ilustrando uma prótese de quadril e RX de prótese no quadril esquerdo

As principais indicações de prótese de cabeça do fêmur são:

  • Artrose do quadril: é o desgaste da cartilagem do quadril, fazendo com que o paciente apresente muita dor, geralmente na região profunda da virilha, além de dificuldade para andar (o paciente começa a “mancar”), perda de mobilidade no quadril (não consegue mais colocar meias ou amarrar calçados) e impossibilidade de praticar atividades físicas.
Artrose avançada no quadril | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando o desgaste da cartilagem no quadril, e RX de uma artrose avançada no quadril direito.
  • Fratura do colo do fêmur: o colo do fêmur está logo abaixo da cabeça do fêmur e é uma das principais regiões do fêmur acometidas por fratura. Sua fratura afeta principalmente pacientes portadores de osteoporose e com idade avançada. O tratamento da fratura do colo do fêmur é obrigatoriamente cirúrgico, na grande maioria das vezes realizado com a artroplastia de quadril.
Fratura do colo do fêmur | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a fratura de colo do fêmur, e RX evidenciando uma fratura de colo do fêmur no quadril esquerdo.
  • Osteonecrose da cabeça do fêmur: é uma condição decorrente de uma irrigação sanguínea inadequada para a cabeça do fêmur, levando à morte do osso nessa região. Suas principais causas são o uso de corticóides (como a prednisona), etilismo, doenças infecciosas, doenças auto-imunes e doenças do sangue, como a anemia falciforme. Nos casos avançados dessa doença, em que há uma deformidade da cabeça do fêmur, por achatamento do osso, o tratamento é feito com a prótese de cabeça do fêmur.
Osteonecrose da cabeça do fêmur | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando uma necrose osteonecrose da cabeça do fêmur, e imagem de Ressonância Magnética de quadril com osteonecrose.

O resultado dessa cirurgia costuma ser excelente, fazendo com que o paciente volte a caminhas e exercer suas atividades, inclusive esportivas, sem dor e praticamente sem limitações. A utilização de boas próteses e uma técnica cirúrgica precisa são necessários para se obter o resultado esperado.

Revisão de prótese de quadril

Revisão de prótese de quadril é o nome dado à cirurgia na qual se faz a troca de um ou mais componentes da prótese de quadril.

Ao longo do tempo, pode haver um desgaste na prótese, ou a ela pode se soltar do osso onde está encaixada, gerando dor no paciente, além de dificuldade para andar e realizar atividades do dia-a-dia.

Revisão de prótese de quadril | Dr. Felipe Bessa
A primeira imagem mostra uma prótese com desgaste, a segunda uma prótese solta do osso e a terceira um quadril que passou por troca de prótese, utilizando uma prótese de maior tamanho.

Nesses casos é necessário realizar uma nova cirurgia para trocar o componente solto ou com desgaste. A complexidade da cirurgia pode variar, dependendo de cada caso, podendo ser simples ou uma cirurgia mais complexa.

Felizmente, com as próteses modernas disponíveis atualmente (cabeça de cerâmica e polietileno cross-linked), a durabilidade das próteses aumentou muito, fazendo com que o número de revisões de prótese tenha diminuído consideravelmente.

Descompressão da cabeça do fêmur

Vimos acima que o tratamento da osteonecrose da cabeça do fêmur em estágios avançados é feito com a prótese de quadril, uma vez que quando há uma alteração do formato da cabeça femoral, essa alteração é irreversível, necessitando da substituição por uma prótese metálica.

Entretanto, nos casos iniciais de osteonecrose da cabeça do fêmur, ou seja, quando a esfericidade está preservada, não é necessário realizar a artroplastia de quadril.

É possível fazer uma cirurgia chamada de descompressão da cabeça do fêmur. Nessa cirurgia, remove-se o osso morto (com necrose) da cabeça do fêmur por meio de uma broca expansível, inserida pela região lateral do osso.

O “buraco” remanescente é então preenchido com um enxerto, que pode ser enriquecido com substâncias biológicas que estimulam a formação de um osso sadio novamente.

Descompressão da cabeça do fêmur | Dr. Felipe Bessa
Na 1ª imagem vemos a descompressão sendo realizada com a broca fechada. Na 2ª imagem vemos a broca já expandida para remover mais osso necrótico. Na 3ª imagem vemos o buraco já preenchido com enxerto.

Entretanto, como em alguns casos já houve uma lesão definitiva da circulação sanguínea nessa região, pode não haver a formação adequada de osso saudável, fazendo com que a osteonecrose progrida para estágios mais avançados, podendo necessitar da prótese de quadril no futuro.

Após a realização dessa cirurgia, o paciente deve ficar 6 semanas sem apoiar o pé no chão, para que haja uma cicatrização adequada do osso, evitando o colapso ou fratura do mesmo.

Artroscopia de quadril

A artroscopia de quadril é uma cirurgia realizada com auxílio de uma câmera inserida no quadril, por meio de pequenas incisões na pele, chamadas de portais.

Além da câmera, são inseridos instrumentos delicados e projetados especificamente para essa cirurgia, para que se realizem os procedimentos necessários.

Dr. Felipe Bessa em Cirurgia

As principais indicações de artroscopia de quadril são:

  • Impacto femoro-acetabular: essa doença é decorrente da presença de uma saliência de osso anormal na transição da cabeça com o colo do fêmur ou na borda do acetábulo. Esse osso “extra” no quadril gera um impacto entre o fêmur e o acetábulo, principalmente ao se fazer muita flexão do quadril (movimento de puxar a perna para cima), gerando dor, geralmente sentida na parte profunda da virilha. Seu tratamento se inicia com mudanças nas atividades físicas e Fisioterapia. Entretanto, nem todos os pacientes melhoram com esse tratamento, e alguns acabam necessitando da artroscopia de quadril, para ressecção das saliências ósseas anormais.
Impacto femoro-acetabular | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando o impacto femoro-acetabular, que pode ser por uma saliência na borda do acetábulo ou na transição cabeça/colo do fêmur
  • Lesão de lábio acetabular: o lábio acetabular, conforme explicado no início do texto, exerce diversas funções importantes no nosso quadril e pode ser lesado em algumas situações, tais como o impacto femoro-acetabular, um trauma no quadril, sobrecarga por atividades físicas ou desgaste na articulação. Uma lesão tal como fissura, destacamento do lábio ou rotura condro-labral podem causar dor no quadril dos pacientes.

    Assim como o impacto, seu tratamento se inicia com alterações nas atividades físicas e Fisioterapia, mas alguns pacientes podem permanecer com dor, necessitando da cirurgia para reparo da lesão labral, com a utilização de âncoras, que são pequenos pinos inseridos no osso, acoplados a fios de sutura, para “amarrar” o lábio no osso acetabular novamente. Essa cirurgia é feita de maneira minimamente invasiva, pela artroscopia de quadril.

Lábio acetabular com um destacamento/rotura | Dr. Felipe Bessa
Lábio acetabular normal à esquerda e lábio com um destacamento/rotura na imagem da direita.
  • Corpos livres na articulação: corpos livres são fragmentos soltos dentro da articulação, podendo ser de osso, cartilagem ou de algumas doenças específicas do quadril. Costumam causar dor, estalos e perda de mobilidade na articulação, e dessa forma devem ser removidos. A melhor maneira de removê-los é com a artroscopia de quadril, muito menos invasiva do que uma cirurgia aberta na articulação.

A recuperação da artroscopia de quadril vai depender de qual patologia foi tratada e qual ou quais procedimentos foram realizados. Pode necessitar do uso de muletas por 3 a 4 semanas, além da realização de Fisioterapia por 3 a 6 meses.

Tratamento cirúrgico de fraturas de fêmur

Vimos acima que o tratamento da grande maioria das fraturas do colo do fêmur é com a artroplastia de quadril.

Entretanto, fraturas não desalinhadas do colo do fêmur podem ser tratadas com parafusos ou placa + parafusos, sem a necessidade de prótese de cabeça do fêmur.

Além disso, existem outros tipos de fratura de fêmur, cujo tratamento é com a utilização de placas ou hastes intra-ósseas.

A chamada fratura transtrocantérica (região logo abaixo do colo do fêmur), mais frequente que a fratura de colo do fêmur, pode ser tratada com uma placa associada a alguns parafusos, ou com uma haste cefalo-medular curta.

Já fraturas na diáfise do fêmur (parte do meio do fêmur), são tratadas em sua maioria com uma haste intra-medular longa.

Cirurgias no Quadril | Dr. Felipe Bessa
Opções de materiais que podem ser utilizados para o tratamento cirúrgico de fraturas de fêmur.

As fraturas aqui citadas necessitam de um acompanhamento com radiografias seriadas, para se avaliar a adequada consolidação da fratura.

Reparo de rupturas tendíneas

Alguns tendões ao redor do quadril podem se romper, seja de forma abrupta, geralmente por um trauma esportivo, ou ao longo do tempo, como consequência de um desgaste do tendão.

De forma abrupta, os mais comuns de serem lesados são os isquiotibiais, que estão na parte de trás do quadril. Sua lesão ocorre com um movimento brusco com o quadril fletido e joelho extendido. Rupturas completas causam fraqueza e dificuldade para correr, necessitando de tratamento com cirurgia.

Já rupturas por conta de “envelhecimento” do tendão acometem principalmente os tendões do glúteo médio e mínimo do quadril, afetando geralmente mulheres após os 60 anos de idade. Gera uma dor na lateral do quadril além de dificuldade para andar, que caso não melhorem com Fisioterapia e outras medidas conservadoras, necessita de cirurgia.

Nesses casos é feita uma sutura dos tendões no osso onde originalmente eles estavam presos, com auxílio de âncoras (as mesmas utilizadas no reparo de lesão de lábio acetabular).

Ruptura te tendão do glúteo médio | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando uma ruptura te tendão do glúteo médio sendo sutura com auxílio de âncoras.

O paciente necessita de um período de repouso para a cicatrização adequada dos tendões, para então iniciar exercícios de fortalecimento.

Todo tratamento deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa. Consulte um especialista em quadril.

Referências
Sociedade Brasileira de Quadril
Mayo Clinic
OrthoInfo

FAQ

1. Quando é necessário cirurgia no quadril?

Diversas situações fazem com que o paciente precise de cirurgias no quadril, entre elas: artrose de quadril avançada, osteonecrose da cabeça do fêmur (necrose avascular), impacto femoro-acetabular, lesão de lábio acetabular e fraturas no quadril, sendo a mais comum a fratura da região proximal do fêmur.

2. Quanto tempo para se recuperar de uma cirurgia no quadril?

O tempo de recuperação depende de fatores individuais e da cirurgia realizada. Uma prótese de quadril costuma necessitar de 2 a 3 meses de recuperação. Uma cirurgia para fratura de fêmur, de 4 a 5 meses. Já na descompressão da cabeça do fêmur, para tratamento de osteonecrose, o paciente necessita ficar 6 semanas sem apoiar o pé no chão. A artroscopia de quadril pode necessitar de 3 a 6 meses de recuperação.

3. Quais os riscos de cirurgia no quadril?

Isso também depende de qual cirurgia foi realizada. Uma prótese de quadril pode apresentar infecção, luxação ou trombose. Esses riscos podem ser minimizados com a realização de técnica cirúrgica precisa, uso correto de medicações e antibióticos, e reabilitação adequada. Outras cirurgias no quadril também têm seus riscos reduzidos com cuidados antes, durante e após a cirurgia.

Back To Top