Skip to content

Edema entre o Trato Iliotibial e o Trocanter Maior: O que é?

Se você realizou uma Ressonância Magnética do quadril e leu o termo “edema entre o trato iliotibial e o trocanter maior do fêmur”, e está preocupado com o que isso significa, não se preocupe.

A primeira informação que passo aqui é que esse problema não é grave!

Mas afinal de contas, o que isso significa?

Introdução

Para entender o significado dessa frase, precisamos entender o que cada termo significa:

  • Edema, significa inflamação
  • Trato iliotibial é uma camada de tecido que começa no osso da bacia e vai até o joelho, recobrindo toda a parte lateral (lado de fora) da coxa
  • Trocanter maior: é a parte mais saliente do fêmur, esse osso que palpamos na lateral do nosso quadril, muitas vezes confundido com a cabeça do fêmur (a cabeça do fêmur é uma estrutura profunda do quadril, que não é palpável)

Dessa forma, esse parágrafo do laudo significa que existe uma inflamação nas estruturas que estão entre o trocanter maior e o trato iliotibial, sendo elas:

  • Tendões do glúteo médio e/ou mínimo (tendinopatia de glúteo médio)
  • Bursas trocantérica ou subglútea (bursite trocantérica)
  • Gordura presente nessa região
Edema entre o trato iliotibial e o trocanter maior | Dr. Felipe Bessa
Imagem de Ressonância Magnética, sendo a linha azul o trato iliotibial, a linha verde o tendão do glúteo médio, a linha vermelha o trocanter maior e a faixa branca apontada pela seta, o edema entre as 2 estruturas.

Os tendões dos glúteos médio e mínimo, são os tendões mais importantes no quadril, sendo chamados de abdutores, exercendo a função de abertura do quadril.

Além disso, eles são importantes estabilizadores do quadril, e impedem que haja um desbalanço da pelve durante a marcha, ou seja, impedem que um lado da pelve caia quando a perna desse lado não está apoiada no chão.

Os tendões glúteos estão inseridos no trocanter maior. Já as bursas, que são pequenas bolsas contendo líquido, absorvem impactos e lubrificam a região. Elas ficam logo acima dos tendões.

Inflamação nos tecidos entre o trato iliotibial e o trocanter maior do fêmur | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando inflamação nos tecidos entre o trato iliotibial e o trocanter maior do fêmur

O nome genérico que abrange as alterações nessas estruturas é Síndrome Dolorosa do Grande Trocanter.

Outras formas com que esse problema é descrito nos laudos de Ressonância Magnética são:

  • Edema do tecido adiposo entre o trocanter maior femoral e o trato iliotibial
  • Atrito dos tecidos gordurosos interpostos ao trato iliotibial e trocanter maior do fêmur
  • Edema do plano gorduroso interposto entre o trato iliotibial e o trocanter femoral maior, por provável atrito

Por que ocorre o edema entre o trocanter maior e o trato iliotibial?

O principal motivo para esse edema (inflamação) ocorrer é um atrito constante entre essas duas estruturas, devido à grande proximidade entre elas, principalmente nas mulheres, que por conta da gestação e parto, têm naturalmente a bacia mais larga, aproximando ainda mais o trocanter maior do trato iliotibial.

Essa fricção contínua acaba ao longo do tempo levando à inflamação, principalmente em situações de:

  • Sobrecarga mecânica nessa região
  • Excesso de treino em atividades físicas com impacto
  • Sedentarismo
  • Trauma local
  • Aumento de gordura local
  • Diferença de comprimento entre as pernas

O que o atrito entre o trocanter maior e o trato iliotibial causa?

O principal sintoma dos portadores desse problema é dor na parte lateral do quadril. Essa dor pode ser contínua ou não, sendo exacerbada ou desencadeada por:

  • Deitar-se de lado sobre o quadril afetado
  • Subir ou descer escadas
  • Ficar muito tempo em pé ou sentado
  • Prática de atividades físicas
  • Dirigir muito tempo

Outros sintomas percebidos pelos portadores do edema na região lateral do quadril são fraqueza no quadril e claudicação (andar mancando).

Entretanto, o paciente pode em diversos casos, não apresentar nenhum sintoma. Portanto, o exame da Ressonância Magnética identifica o edema entre o trocanter maior e o trato iliotibial, mas a causa da dor do paciente (que fez com que o exame fosse solicitado) é outra, como por exemplo uma artrose no quadril, osteonecrose da cabeça do fêmur, impacto no quadril, entre outras possibilidades.

Dessa forma, quando a Ressonância Magnética do quadril identifica o edema dos tecidos adiposos entre o trocanter maior femoral e o trato iliotibial e outro(s) problema(s), é importante que o médico examine adequadamente o paciente, e correlacione as alterações do exame de imagem, com as dores apresentadas pelo paciente, para que assim trate a real causa da dor.

Como se trata edema entre o trocanter maior e o trato iliotibial?

Se constatado que a dor do paciente é realmente causada pelo edema da gordura entre o trato iliotibial e o trocanter maior femoral, um tratamento direcionado para esse problema deve ser indicado.

O tratamento inicial é com Fisioterapia, com o intuito de desinflamar a parte lateral do quadril e promover reforço muscular e estabilização na região lombo-pélvica.

Tratamento do edema entre o trato iliotibial e trocanter maior femoral | Dr. Felipe Bessa
A Fisioterapia é fundamental no tratamento do edema entre o trato iliotibial e trocanter maior femoral.

Além disso, deve-se realizar alongamento do trato iliotibial, para que o atrito constante entre ele e o trocanter maior seja reduzido.

Outros pontos que devem ser abordados são correção de erros durante a caminhada e correção postural. Se houver uma diferença significativa no comprimento das pernas, ela deve ser compensada com palmilhas.

Em casa, o paciente pode realizar compressas, que também podem auxiliar na redução da inflamação e dor. Medicações analgésicas e anti-inflamatórias podem ser utilizadas em casos de dor aguda, mas não devem ser vistas como peça fundamental do tratamento.

Outro ponto que merece atenção, são as atividades físicas realizadas pelo paciente. Excesso de treinos e prática de esportes com impacto no quadril pode ser a causa do problema. Dessa forma, redução na carga de treinos é um fator importante para a melhora dos sintomas.

Em casos refratários ao tratamento descrito acima, pode-se realizar infiltrações na lateral do quadril com:

  • Analgésicos e corticóides: reduzem a dor e inflamação local, mas a duração pode não ser longa o suficiente, sendo que são preconizadas no máximo 3 a 4 por ano.
  • PRP: sigla para plasma rico em plaquetas, essa substância é obtida do próprio sangue do paciente, colocando-o numa centrífuga. Ela tem propriedades anti-inflamatórias e reparadoras. Podem ser necessárias algumas aplicações para promover melhora no paciente.
Infiltração nas estruturas laterais do quadril | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a infiltração nas estruturas laterais do quadril, que pode ser realizada com analgésicos e corticóides ou com o PRP, ilustrado na segunda imagem.

Outro tratamento que pode ser no caso de persistência dos sintomas é a Terapia por Ondas de Choque. Ele é feito com um aparelho que emite ondas, que estimulam a desinflamação de reparação tecidual. Geralmente são feitas de 3 a 4 sessões.

Terapia por Ondas de Choque sendo utilizado no quadril | Dr. Felipe Bessa
Aparelho de Terapia por Ondas de Choque sendo utilizado no quadril, recurso interessante nos casos refratários.

Como último recurso, nos raros casos que não melhoram com essas opções de tratamento, podem ser feitas cirurgias para:

  • Reparar os tendões glúteos, caso apresentem uma ruptura
  • Ressecção de bursa com distensão líquida
  • Retirar um pouco de tecido do trato iliotibial, para reduzir o atrito/fricção com o trocanter maior femoral.
Cirurgia para reparar ruptura dos tendões glúteos médio e mínimo | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a cirurgia para reparar ruptura dos tendões glúteos médio e mínimo.

Em resumo, o edema dos planos gordurosos interpostos entre o trato iliotibial e o trocanter femoral maior é uma patologia extremamente comum, principalmente em mulheres de 40 a 60 anos de idade. Podem causar dor ou não, e seu tratamento é na grande maioria das vezes sem cirurgia ou procedimentos invasivos.

Todo tratamento deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa.
Consulte um especialista em quadril.

Referências
Sociedade Brasileira de Quadril
Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
OrthoInfo
Pubmed

FAQ

1. O que é edema no trato iliotibial?

Edema no trato iliotibial é uma inflamação nas estruturas que estão na região lateral do quadril, sendo as mais comuns os tendões dos glúteos médio e mínimo e bursas trocantérica e subglútea.

2. O que é a síndrome dolorosa do grande trocanter?

Esse nome se refere à situação na qual o paciente tem dor na lateral (parte de fora) do quadril, próximo àquele osso mais saliente nessa região, chamado de trocanter maior do fêmur. Essa dor é causada por uma inflamação dos tendões glúteos médio/mínimo, bursas trocantérica ou subglúteas ou ressalto externo, condição na qual há um estalo na região lateral do quadril.

3. Como tratar inflamação no trato iliotibial?

A inflamação no trato iliotibial, que a rigor não é nele, e sim nas estruturas logo abaixo dele (tendões e bursas), é tratada inicialmente com medicações analgésicas e anti-inflamatórias, compressas, modificações nas atividades físicas, perda de peso, Fisioterapia e fortalecimento. Casos refratários podem ser tratados com infiltrações e em último caso, cirurgia.

Back To Top