Skip to content

Infecção no Quadril: Principais causas e tratamentos

Infecção no quadril pode acometer pacientes com ou sem cirurgia. Na grande maioria dos casos o tratamento é com cirurgia associada ao uso de antibióticos.

A infecção no quadril pode afetar tanto pacientes com prótese quanto aqueles sem implantes. Estas infecções podem atingir diversas partes do quadril, como a articulação, ossos, bursa ou surgir após uma cirurgia no quadril.

Este artigo explora as diferentes causas da infecção no quadril, seus diagnósticos e tratamentos. Continue lendo!

Infecção no Quadril - Dr. Felipe Bessa

O que é infecção no quadril?

Infecção é quando qualquer parte do nosso corpo é atingida por bactérias, que se proliferam e causam malefícios a essa parte do corpo específica e até ao corpo como um todo.

Exemplos conhecidos de infecção são pneumonia (infecção no pulmão), erisipela (infecção na pele), gastro-enterite (infecção no sistema digestivo, causando vômitos e diarréia) e infecção urinária.

Isso acontece pois além de existirem no meio-ambiente diversos germes causadores de infecções, tais como vírus, bactérias e fungos, o nosso corpo é naturalmente colonizado por alguns desses germes.

Em situações normais, esses germes não causam males ao nosso corpo pois temos diversos mecanismos de defesa contra eles, tais como a barreira da pele e as células de defesa do nosso sistema imunológico.

Entretanto, algumas situações fazem com que a defesa contra tais germes fique deficitária, permitindo que eles alcancem alguma região do nosso corpo e ali se multipliquem, causando uma infecção. Lesões na pele, desnutrição, prematuridade e imunodeficiências são algumas dessas situações.

Falando do quadril especificamente, existem infecções que podem acometer a articulação, algum osso do quadril, uma bursa ou podem ocorrer após a realização de uma cirurgia no quadril.

Quais são as infecções mais comuns no quadril?

Para facilitar o entendimento do texto, vamos dividir em infecções não relacionadas a cirurgias e infecções pós-operatórias.

Infecção no quadril não relacionada a cirurgias

Pioartrite ou artrite séptica

Essa infecção acomete o espaço articular do quadril, que é a junção da cabeça do fêmur com a bacia, local revestido por uma cápsula de tecidos, preenchido por cartilagem e líquido sinovial que lubrificam a articulação.

As bactérias podem chegar na articulação pela corrente sanguínea, e ali se proliferam, alimentando-se da glicose presente no líquido.

Infecção no quadril | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a articulação do quadril acometida por um processo infeccioso, gerando dor na articulação.

É uma patologia infrequente, sendo mais comum em recém-nascidos e crianças do que em adultos, devido a imaturidade do sistema imunológico.

A infecção causa dor na articulação do quadril, associada a perda de mobilidade, calor local e possivelmente febre.

Exames de sangue e de imagem auxiliam no diagnóstico, e, em caso de dúvida, realiza-se uma punção do líquido, que então é analisado em laboratório.

O tratamento é com cirurgia, realizando-se uma abertura da articulação para limpar a infecção, seguida do uso de antibióticos. A demora no diagnóstico e tratamento faz com que as bactérias causem uma degradação da cartilagem articular, levando à artrose precoce no paciente.

Além disso, em paciente muito jovens, pode causar deformidades na articulação, levando à importante perda de função do quadril na vida adulta.

Um tipo menos comum dessa infecção é a tuberculose articular, que deve ser tratada com cirurgia, seguida do esquema medicamentoso para tuberculose.

Osteomielite de fêmur

Esse termo se refere a uma infecção bacteriana no osso. As bactérias podem chegar ao osso pela corrente sanguínea, chamada de infecção hematogênica ou no caso de um acidente com lesão de pele e músculos, expondo o osso às bactérias, como em fraturas expostas ou quando o corpo é perfurado por algum objeto.

Osteomielites hematogênicas são mais frequentes em crianças, devido à imaturidade do sistema imunológico. Já osteomielites por acidentes, são mais frequentes em adultos. No quadril especificamente são incomuns, mas podem acometer o fêmur, geralmente por sequela de fratura exposta de fêmur.

Osteomielite aguda no fêmur | Dr. Felipe Bessa
RX de quadril de criança com osteomielite aguda no fêmur; região mais escura no osso, apontada pela seta.

O tratamento de osteomielite é sempre uma associação de cirurgia com antibióticos.

Nas osteomielites agudas, geralmente hematogênicas, o tratamento é com retirada do foco de infecção, associado ao uso de antibiótico.

Já nas osteomielites crônicas, o tratamento é geralmente complexo e envolve a retirada de qualquer material metálico utilizado em cirurgias prévias, associado ao uso prolongado de antibióticos. Uma vez que a penetração dos antibióticos nos ossos é baixa, a utilização de câmara hiperbárica pode auxiliar nos casos mais difíceis de osteomielite de fêmur.

Bursite infectada

Bursites são inflamações que acometem as bursas, que são pequenas bolsas que ficam em proeminências ósseas para proteção local contra contusões.

Na grande maioria das vezes essas inflamações não têm relação com processos infecciosos, e ocorrem por um trauma local, atrito, sobrecarga ou falta de fortalecimento, sendo tratadas com analgésicos, anti-inflamatórios, compressas, repouso e Fisioterapia.

Entretanto, raras vezes essa inflamação pode ocorrer em decorrência de uma infecção bacteriana, que é chamada de bursite infectada ou séptica.

Bursite Trocantérica | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a bursite trocantérica, que em uma minoria dos casos pode ser causada por uma infecção.

O quadro costuma ser mais exuberante do que a bursite convencional, com o paciente apresentando dor mais intensa, calor e vermelhidão no local.

Nesse caso, o tratamento é com a remoção cirúrgica da bursa, associada ao uso de antibióticos.

Infecção no quadril após cirurgia

Infecção em prótese de quadril

A infecção em prótese de quadril, muito conhecida de forma incorreta pelo nome de rejeição da prótese de quadril, é quando ocorre uma contaminação e colonização bacteriana na prótese e ao redor dela.

Infecção aguda em prótese de quadril

Infecção aguda é quando tal processo se manifesta com menos de 4 semanas da colocação da prótese de quadril, geralmente com saída de pus pela ferida operatória, além de calor e vermelhidão ao redor da ferida.

Como se trata a infecção aguda na prótese do quadril?

Nessa situação deve-se realizar uma nova cirurgia, na qual troca-se a cabeça e o liner da prótese (componente da prótese onde a cabeça articula), mantendo-se a haste femoral e a taça acetabular no osso, além da limpeza exaustiva do sítio cirúrgico, seguido do uso de antibióticos por 6 a 12 semanas, dependendo do caso.

Infecção crônica em prótese de quadril

Já infecção crônica é quando a infecção se manifesta após 4 semanas. Nesses casos pode haver a saída de pus ou não. Se ocorrer, ele sai por um orifício na pele chamado de fístula, uma vez que a ferida já está cicatrizada.

Entretanto, em alguns casos de infecção crônica, pode não haver a saída de pus. O sintoma apresentado pode ser uma dor contínua no local da prótese, fazendo com que o paciente tenha dificuldade em caminhar.

Como se trata a infecção crônica na prótese do quadril?

Nesses casos, deve-se fazer uma investigação com exames de imagem e sangue. Caso estejam alterados, deve-se realizar uma punção do líquido ao redor da prótese, que é então encaminhado ao laboratório para análise, para confirmação ou exclusão da possibilidade de infecção crônica na prótese.

Caso a infecção seja confirmada, deve ser feita uma cirurgia para retirada de toda a prótese, que é então substituída por uma prótese provisória revestida com antibiótico, que junto com antibióticos orais ou venosos por pelo menos 6 semanas irá combater a infecção local.

Prótese provisória, contendo cimento com antibiótico | Dr. Felipe Bessa
RX mostrando uma prótese provisória, contendo cimento com antibiótico, que faz uma liberação local dos antibióticos, para combater a infecção.

Após tal período, com a certeza da erradicação da infecção, realiza-se uma nova cirurgia, para retirada da prótese provisória e colocação de uma prótese definitiva. A cirurgia em duas etapas é a maneira mais segura de se tratar uma infecção crônica de prótese de quadril, para evitar uma contaminação da nova prótese.

A diferença entre o tratamento das infecções aguda e crônica é pelo fato de que após o período de 4 semanas, as bactérias formam o chamado biofilme ao redor da prótese, uma camada de bactérias que não é removível com cirurgia ou antibióticos, fazendo-se necessária a remoção da prótese infectada.

Osteomielite crônica de fêmur

Em alguns casos de fraturas expostas de fêmur, ou mais raramente em fraturas fechadas, que evoluíram com infecção após a cirurgia, pode haver a contaminação do osso por bactérias, que se instalam no osso e dificultam a consolidação da fratura.

Nesses casos, o paciente se mantém com dor na coxa e pode haver a presença de uma fístula pela qual sai pus.

Como faz-se o diagnóstico e tratamento da osteomielite crônica de fêmur?

Utilizam-se exames de imagem como RX, Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética, além de exames de sangue, para confirmar o diagnóstico.

O tratamento da osteomielite crônica é com a realização de uma nova cirurgia, com retirada do material metálico utilizado na primeira cirurgia, remoção do foco de osteomielite do osso e colocação de novos materiais, possivelmente fixadores externos, conhecidos como “gaiola”, uma vez que a colocação de novas hastes ou placas no fêmur podem levar a contaminação de tais materiais mais uma vez.

Deve-se administrar antibióticos por tempo prolongado, até a certeza da resolução da infecção no osso do fêmur.

É importante tratar os fatores que atrapalham a defesa imunológica, tais como diabetes, tabagismo, obesidade, desnutrição e lesões na pele.

A boa notícia é que infecções no quadril, tanto não relacionadas a cirurgia, quanto as pós-operatórias são incomuns. No caso das infecções relacionadas a cirurgia, sua incidência é minimizada com a seleção adequada dos pacientes, corrigindo-se os fatores de risco para infecção antes da cirurgia, além de adequados processos de esterilização dos materiais cirúrgicos e da utilização dos antibióticos da forma correta.

Todo tratamento deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa.Portanto, em caso de sinais que indiquem a presença de uma infecção no quadril, busque um especialista o quanto antes.

O Dr. Felipe Spinelli Bessa é um ortopedista especialista em Cirurgia do Quadril. Com as melhores especializações e sendo membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e Sociedade Brasileira de Quadril (SBQ), ele pode te ajudar!

Entre em contato e agende uma consulta com o Dr. Felipe Bessa

 

Referências
SBOT – Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia
SBQ – Sociedade Brasileira de Quadril
Sociedade de Infecção Musculo-Esquelética
Sociedade Brasileira de Infectologia

FAQ

1. O que causa infecção no quadril?

Infecção no quadril é quando bactérias chegam nessa articulação, causando efeitos deletérios. Essa infecção pode ser em um quadril que passou por cirurgia ou não. Nos casos com cirurgia, a mais comum é a infecção pós-operatória após realização de prótese de quadril. Nos quadris que não passaram por cirurgia, a infecção mais comum é a pioartrite ou artrite séptica, acometendo a articulação da cabeça do fêmur com a bacia, então gerando dor importante no quadril.

2. Como evitar infecção na prótese de quadril?

A infecção na prótese de quadril ocorre quando bactérias entram no quadril operado durante ou após a cirurgia, não sendo combatidas pelo sistema imunológico do paciente. Existem fatores que aumentam a chance de isso ocorrer, pois dificultam o sistema de defesa de combater as bactérias. Esses fatores são a obesidade, desnutrição, tabagismo, diabetes, bem como o uso de imunossupressores. Dessa forma, é importante controlar esses fatores antes da cirurgia. Além disso, o uso correto de antibióticos e realizar uma cirurgia limpa são essenciais para reduzir as chances de infecção em prótese de quadril.

3. Como resolver infecção na prótese de quadril?

Se a infecção ocorrer em até 3 semanas da colocação da prótese, é possível fazer uma limpeza cirúrgica e uso de antibióticos por 6 a 12 semanas para tratar a infecção, assim, sem necessidade de remover a prótese. Se a infecção se manifestar após 3 a 4 semana da cirurgia, é preciso retirar a prótese e colocar uma nova, pois nesse caso as bactérias ficam “grudadas” na prótese, com o biofilme.

Back To Top