skip to Main Content

Tendinites do quadril

Tendinites são inflamações nos tendões. As principais tendinites do quadril são as do glúteo médio e mínimo, que causam dor na região lateral do quadril.

O que são tendinites?

Tendinites são inflamações/processos inflamatórios dos tendões do nosso corpo, estruturas essenciais para a realização dos movimentos, pois unem os músculos aos ossos, fazendo com que ao realizar a contração, o músculo consiga puxar o osso a ser movimentado.

Dessa forma, todas as articulações do nosso organismo são envolvidas por tendões, uma vez que é nas articulações que ocorrem os movimentos. As principais articulações acometidas por tendinites são os ombros, punhos, quadris e tornozelos.

Quando inflamados, os tendões apresentam dor, que é agravada por movimentos e esforços, ou ao serem pressionados. Em casos avançados, os tendões inflamados e degenerados podem se romper, causando fraqueza para certos tipos de movimento.

Quais são as principais tendinites do quadril?

As principais tendinites que acometem o quadril são:

Tendinite de glúteos médio e mínimo

A tendinite dos tendões glúteos médio e mínimo é a principal tendinite do quadril, e uma das patologias mais comuns dessa articulação. Ela afeta principalmente mulheres na faixa etária de 40 a 60 anos.

Os tendões dos glúteos médio e mínimo são os principais abdutores do quadril, ou seja, músculos que fazem a abertura dos membros inferiores, além de estabilizar a cabeça do fêmur na bacia.

Os pacientes portadores dessa tendinite costumam queixar-se de dor na região lateral do quadril, que piora ao andar, subir e descer escadas e principalmente ao deitarem-se de lado sobre o quadril afetado. Em casos avançados, com fraqueza importante dos tendões, os pacientes podem claudicar (mancar) quando caminham.

Ela ocorre por conta de fraqueza desse grupo muscular ou por conta de atrito entre esses tendões e o trato iliotibial, camada de tecido em íntimo contato com os tendões.

Tendinites do quadril | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando uma inflamação nos tendões glúteos médio e mínimo, a principal tendinite que acomete o quadril

Tendinite de iliopsoas

O iliopsoas é um grupo músculo-tendíneo composto pelos músculos psoas e ilíaco, e é responsável pela flexão do quadril (movimento de puxar o quadril para cima). Ele se origina da coluna lombar e da bacia e se insere no trocanter menor do fêmur.

Sua tendinite costuma afetar atletas praticantes de atividades com chute ou com muita flexão de quadril, além de esportes com corrida em subidas.

Os pacientes costumam queixar-se de dor na virilha ou região anterior profunda do quadril, principalmente aos esforços durante a prática esportiva.

Anatomia do Iliopsoas | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a anatomia do iliopsoas e o local de inflamação desse tendão.

Tendinite de isquiotibiais

Os isquiotibiais são os músculos da região posterior da coxa, compostos especificamente pelo bíceps femoral, semitendíneo e semimembranoso. Eles são responsáveis por dobrar o joelho para trás e evitar a hiperextensão do joelho na fase final da corrida.

Eles se originam no ísquio, osso da bacia sobre o qual sentamos. A inflamação desses tendões afeta principalmente corredores ou praticantes de atividades com grande demanda de corrida. Os pacientes portadores de tendinite de isquiotibiais referem dor na região da nádega (localização do ísquio) ao tentar correr ou sentar-se sobre o ísquio.

Em casos avançados, os pacientes ficam impossibilitados de praticar qualquer atividade com corrida, seja por dor ou por fraqueza desse grupo muscular.

Anatomia dos isquiotibiais | Dr. Felipe Bessa

Imagem ilustrando a anatomia dos isquiotibiais e o local de inflamação dos tendões, na região do ísquio, próximo a nádega, local de dor dessa tendinite.

Como as tendinites do quadril são diagnosticadas?

O diagnóstico das tendinites do quadril é na grande maioria das vezes clínico, ou seja, realizado durante a consulta médica, com a realização de uma boa anamnese e um exame físico minucioso realizados pelo Médico Especialista em Quadril.

A palpação de pontos que desencadeiam a dor, em associação com avaliação da força muscular e análise da marcha são fundamentais para o diagnóstico. Além disso, a realização de testes especiais auxilia a confirmar ou excluir essa e outras patologias do quadril.

Em casos de dúvida diagnóstica, podem ser realizados exames de imagem, como RX, ultrassom e principalmente a Ressonância Magnética.

O RX, apesar de ser o mais antigo desses exames, fornece informações essenciais sobre a articulação do quadril, como congruência articular, presença de artrose ou não, além de avulsões ou deformidades ósseas.

O ultrassom pode detectar alterações mais grosseiras dos tendões, não sendo capaz de identificar alterações leves. Sua vantagem é que pode ser realizado no consultório médico, além de ser utilizado para guiar eventuais infiltrações nos tendões.

Já a Ressonância Magnética é o exame que mais alterações detecta; ela avalia em detalhes as partes moles do quadril e região, evidenciando até mesmo as menores alterações nos tendões ao redor do quadril. Nos laudos desses exames, termos frequentemente usados são: tendinite, peritendinite e tendinopatia.

Tendinopatia do Glúteo Médio | Dr. Felipe Bessa Na primeira imagem vemos um corte coronal de ressonância magnética de paciente portadora de tendinopatia (tendinite) importante do glúteo médio (tendão mais acometido no quadril), já com ruptura parcial de suas fibras. Na segunda imagem vemos líquido ao redor de um dos tendões dos isquiotibiais, indicando inflamação desse tendão.

Como é o tratamento das tendinites do quadril?

Seu tratamento é inicialmente conservador, sendo realizado com medicações analgésicas e anti-inflamatórias, Fisioterapia e modificação das atividades desencadeadoras de dor. Compressas de gelo também auxiliam no tratamento, e tem um importante papel nas tendinites em geral.

Nos casos em que o tratamento inicial não é eficaz, podem ser realizadas infiltrações nos tendões, feitas no consultório médico, guiadas ou não por ultrassom.

Essas infiltrações podem ser de dois tipos:

  1. Infiltração com analgésicos: são aplicadas medicações analgésicas e anti-inflamatórias nos tendões inflamados, tais como lidocaína e corticóides, promovendo alívio temporário da dor.
  2. Infiltração com PRP: o PRP é o plasma rico em plaquetas, material obtido da preparação do sangue do próprio paciente, por meio de uma centrífuga, que retira os glóbulos vermelhos e concentra as plaquetas, que ao liberarem diversos fatores de crescimento no local onde são infiltradas, promovem reparo e regeneração tecidual. Por ser obtido do sangue do próprio paciente, é um procedimento extremamente seguro.
    Tendinite glútea no quadril
    Imagem ilustrando uma tendinite glútea no quadril direito sendo tratada com infiltração local de analgésicos ou PRP

A cirurgia é raramente indicada para as tendinopatias, sendo realizada apenas nos casos de tendões que apresentam rupturas parciais ou avançadas, onde não foi obtida melhora com o tratamento conservador, situação que pode afetar o tendão do glúteo médio, ou em casos de rupturas agudas, como pode ocorrer com os tendões dos isquiotibiais, geralmente em traumas esportivos.

Tendinites do Quadril | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando uma ruptura de tendão do glúteo médio submetida a tratamento cirúrgico, com a utilização de âncoras

O tratamento ideal deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa.
Consulte um especialista em quadril.

Referências
Mayo Clinic
OrthoInfo
The Adult Hip – Hip Preservation Surgery – Clohisy, Beaulé, Della Valle
Hip Arthroscopy and Hip Joint Preservation Surgery – Nho, Leunig, Larson, Bedi, Kelly

FAQ

1. O que é bom para tendinite no quadril?

O tratamento da tendinite de quadril se inicia com Fisioterapia, medicações analgésicas e anti-inflamatórias, compressas de gelo, repouso e perda de peso. Caso não haja melhora, podem ser feitas infiltrações no local.

2. Quem tem tendinite no quadril pode fazer caminhada?

A tendinite no quadril pode piorar com caminhadas longas, principalmente em terrenos irregulares e em subidas, principalmente na fase aguda da tendinite. Entretanto, em casos de tendinite leve, o paciente pode fazer caminhadas curtas, sem prejuízo para sua patologia.

3. O que é tendinopatia no glúteo médio?

Tendinopatia no glúteo médio é uma inflamação no tendão do glúteo médio, tendão que fica na região lateral do quadril, responsável por fazer a abertura do quadril (movimento chamado de abdução). É o principal tendão acometido na região do quadril, principalmente em mulheres de 40 a 60 anos.

4. Quanto tempo leva para curar tendinite no quadril?

O tempo para recuperação de tendinite no quadril varia de paciente para paciente, e depende de fatores como grau de inflamação, idade, nível de atividade do paciente e qual tendão foi acometido. Pode durar de 3 semanas a 8 meses.

Back To Top