Skip to content

Terapias Biológicas no Quadril

Terapias biológicas são substâncias obtidas do próprio paciente, e podem ser utilizados para tratar diversas doenças no quadril. Os principais são PRP, BMAC e aspirado de gordura abdominal.

Introdução

O quadril é uma das principais articulações do nosso corpo, e pode ser afetado por uma enorme quantidade de doenças, causando limitações e impactos negativos na qualidade de vida dos pacientes. De maneira geral, boa parte das patologias (doenças) que afetam os quadris, foram tradicionalmente tratadas de maneira conservadora, com Fisioterapia e medicações ou com infiltrações e cirurgias. Entretanto, casos em que não há indicação de cirurgia, acabam ficando sem opção de tratamento caso a Fisioterapia e infiltrações simples não resolvam o problema. E casos que deveriam ser operados apenas em estágios avançados, mas que se mantém com sintomas em casos leves e moderados, apesar de Fisioterapia e medicações, também carecem de outra forma de tratamento, que não a cirurgia. Dessa forma, nos últimos anos, estudou-se muito para que novas terapias fossem desenvolvidas, para que doenças ortopédicas que não tem tratamento cirúrgico ou para outras em que o tratamento cirúrgico deve ser reservado apenas para casos graves, possam ser tratadas de maneira pouco invasiva e de forma mais eficaz do que os tratamentos convencionais. Entre os tratamentos que demonstraram os melhores resultados para doenças ou lesões refratárias a medidas convencionais, estão as terapias biológicas, ou seja, terapias que tem a capacidade de promover reparação, cicatrização e regeneração de tecidos com lesão. A seguir, vamos detalhar algumas características dessas terapias e quais doenças podem ser tratadas por elas.

Plasma Rico em Plaquetas (PRP)

O Plasma Rico em Plaquetas, mais conhecido como PRP, é produzido da seguinte maneira: tira-se sangue do paciente, da mesma forma com que são feitos exames de sangue convencionais. Esse sangue é colocado em uma centrífuga especializada, que ao fazer milhares de rotações por minuto, separa os glóbulos vermelhos do restante do sangue, gerando um plasma (líquido do nosso sangue) com uma concentração aumentada de plaquetas, que são fragmentos de células cuja principal função em nosso organismo é conter sangramentos, principalmente superficiais.

Terapias Biológicas no Quadril | Dr. Felipe Bessa
Frascos retirados de centrífuga, onde observamos o plasma (líquido amarelo), separado dos glóbulos vermelhos. Esse plasma tem uma alta concentração de plaquetas, e por isso é chamado de Plasma Rico em Plaquetas.

Entretanto, essa não é a única característica das plaquetas. Elas também liberam substâncias chamadas de citocinas e fatores de crescimento, que tem o potencial de reparar e regenerar tecidos, além de promover imunomodulação, ou seja, alterar a inflamação em um determinado tecido, diminuindo a dor e aumentado a cicatrização. Sendo assim, quando aplicado em um tecido com alguma lesão, como um tendão inflamado (tendinite), o PRP é capaz de promover uma melhora da inflamação local, e por consequência, aliviar a dor do paciente. Da mesma forma, se aplicado em articulações com desgaste moderado, é possível que o paciente apresente melhora da dor e da mobilidade na articulação afetada. Algumas vezes, uma aplicação pode não ser suficiente, necessitando de 2 ou 3 aplicações, a depender do grau de evolução da patologia e dos sintomas do paciente.

Aspirado de medula óssea

Assim como o PRP é obtido do sangue, é também possível obter substância biológica aspirando-se sangue da medula óssea da bacia do paciente. Sabemos que nesse aspirado de medula há a presença de células mesenquimais, que tem o potencial de se transformar em outra célula, dependendo de onde é aplicada. Dessa forma, além da liberação das moléculas que promovem a reparação tecidual e imunomodulação, os aspirado de medula óssea acrescenta a presença de células similares às presentes originalmente no local onde é aplicada, aumentando seu potencial reparador. Sua desvantagem em relação ao PRP é que necessita de uma incisão de aproximadamente 1,5 cm sobre o osso da bacia para que se realize o aspirado. Tal aspirado pode ser concentrado em uma centrífuga, da mesma forma que o PRP, aumentando a quantidade de células mesenquimais presentes no líquido a ser infiltrado. O aspirado não concentrado é chamado de BMA (do inglês, bone marrow aspirate), e quando é centrifugado é chamado de BMAC (do inglês, bone marrow aspirate concentrate).

Terapias Biológicas no Quadril | Dr. Felipe Bessa
Na primeira imagem vemos agulhas para aspiração da medula óssea da bacia. A segunda imagem mostra a centrífuga utilizada para a concentração das células tronco, para a produção do BMAC.

Aspirado de gordura abdominal

Da mesma forma que o BMA ou BMAC são obtidos aspirando-se conteúdo da medula óssea, é possível obter substância biológica da gordura abdominal, onde sabemos que também há a presença de células mesenquimais. Para isso, é feito um procedimento similar à lipoaspiração, porém com a retirada de quantidade muito menor de gordura abdominal do que numa lipoaspiração tradicional.

Dr. Felipe Bessa
A gordura aspirada é colocada em um dispositivo como o mostrado acima, que retira as células adiposas, fazendo um concentrado de células tronco, que tem um potencial reparador similar ao do BMAC.
Terapias Biológicas | Dr. Felipe Bessa
Figura que representa como o aspirado de gordura abdominal funcional. A gordura coletada é injetada em um sistema fechado que faz um a limpeza, retirando gordura e sangue, e concentrando as células mesenquimais (células tronco).

Quais as principais patologias do quadril que podem ser tratadas com terapias biológicas?

Conforme foi dito acima, as terapias biológicas são boas opções para tratamento de diversas doenças que afetam o quadril, sendo as principais delas:

Artrose do quadril

Tradicionalmente, a artrose do quadril, também chamada de desgaste no quadril é tratada em casos leves com Fisioterapia e medicações, em casos moderados com a aplicação de ácido hialurônico dentro da articulação, procedimento chamado de viscossuplementação, e em casos avançados com a realização da prótese de quadril. Entretanto, nos casos leves e moderados, nem sempre o tratamento citado alivia os sintomas, fazendo com que alguns pacientes possam se manter com dor e restrições para atividades, apesar do tratamento realizado. Dessa forma, pacientes nessa condição e que não queiram ser submetidos a cirurgia de prótese podem se beneficiar com a realização da infiltração de PRP, BMAC ou aspirado de gordura abdominal na articulação.

Infiltração na articulação - Quadril | Dr. Felipe Bessa
Infiltração na articulação, que pode ser realizada com ácido hialurônico, PRP, BMAC e aspirado de gordura abdominal.

É importante salientar que casos avançados de artrose no quadril não tem indicação de passar por tais procedimentos, pois os mesmos não teriam um bom resultado. Nos dias atuais, apenas a prótese de quadril tem eficácia comprovada para pacientes portadores de artrose em estágio avançado.

Osteonecrose da cabeça do fêmur

A osteonecrose da cabeça do fêmur é uma doença causada por um defeito na circulação sanguínea que leva oxigênio e nutrientes para o osso dessa região, causando a morte desse osso. Casos em estágio inicial, ou seja, em que a esfericidade da cabeça femoral está preservada, o tratamento é feito com a descompressão da cabeça, cirurgia na qual retira-se o osso morto com auxílio de uma broca. Após a realização da descompressão, coloca-se enxertos sintéticos para preencher o buraco na cabeça do fêmur. Entretanto, tal procedimento apresenta altas taxas de mal resultado, com a progressão da doença para estágios mais avançados, necessitando da colocação de uma prótese de quadril. Dessa forma, é possível associar a colocação de substâncias biológicas nos enxertos, que vão auxiliar na formação de um osso sadio novamente na cabeça do fêmur. A terapia biológica mais indicada nessa situação é o BMAC, mas que também pode ser associado à colocação de PRP. É importante salientar que por mais biológica que seja a terapia, não é certeza que haverá a formação de osso sadio novamente após o procedimento, uma vez que a circulação sanguínea pode estar comprometida em definitivo.

Procedimento de descompressão da cabeça do fêmur | Dr. Felipe Bessa
Procedimento de descompressão da cabeça do fêmur, no qual realiza-se a retirada do osso morto com uma broca expansível. O “buraco” que fica na cabeça do fêmur é preenchido com um enxerto que pode ser “enriquecido” com PRP ou BMAC, para aumentar a chance de formação de osso sadio.

Assim como na artrose de quadril, casos avançados de osteonecrose, ou seja, com colapso (perda da esfericidade) da cabeça femoral, não devem ser submetidos a tais procedimentos, pois não terão bons resultados. Esses casos devem ser tratados com a realização da prótese de quadril.

Tendinites e bursites do quadril

Tendinites e bursites do quadril, em especial a tendinopatia de glúteos médio e mínimo e a bursite trocantérica, são as doenças que mais comumente afetam o quadril, principalmente em mulheres entre 40 e 60 anos de idade. Tais patologias são na grande maioria das vezes tratadas com analgésicos, Fisioterapia e compressas. Em casos que não melhoram com tal tratamento, podem ser feitas infiltrações com corticóides, que são anti-inflamatórios que agem no local da inflamação. Entretando, corticóides costumam aliviar os sintomas por algumas semanas, e não podem ser aplicados repetidas vezes, por conta de efeitos deletérios nos tendões. Sendo assim, casos de tendinite e bursite refratária ao tratamento convencional podem apresentar alívio com a aplicação de PRP nos tendões e bursas, procedimento que pode ser feito no consultório médico, com pouco desconforto para o paciente.

Bursite Trocantérica e Tendinite Glútea | Dr. Felipe Bessa
Imagem ilustrando a bursite trocantérica e tendinite glútea e imagem mostrando a infiltração nesses tecidos inflamados, que pode ser feita com corticóides ou com PRP.

Vimos então um resumo sobre a utilização de terapias biológicas no quadril. É importante salientar que os resultados podem ser variados de um paciente para o outro, bem como a seleção adequada dos pacientes a serem submetidos a tais procedimentos é importantíssima para que se obtenha os melhores resultados com as terapias biológicas.

Todo tratamento deve ser individualizado e definido após uma avaliação médica criteriosa. Consulte um especialista em quadril.

Referências Sociedade Brasileira de Quadril Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia OrthoInfo

FAQ

1. Para que serve o PRP?

O PRP, sigla para plasma rico em plaquetas, é uma substância obtida do sangue do próprio paciente. Nela, existe uma alta concentração de plaquetas. O PRP pode ser injetado em articulações com desgaste e tendões inflamados (tendinite), promovendo alívio da dor nos pacientes. Isso ocorre pois o PRP tem o potencial de reparação e cicatrização de tecidos com desgaste ou inflamação.

2. É possível tratar artrose de quadril sem cirurgia?

A resposta vai depender do grau de artrose que o paciente tem. Pacientes com artrose leve e moderada, caso se mantenham com dor apesar do uso de medicações e realização de Fisioterapia, podem ser submetidos a procedimentos pouco invasivos, como infiltração de ácido hialurônico ou terapias biológicas, como PRP (plasma rico em plaquetas), BMAC (aspirado de medula óssea concentrado) e aspirado de gordura abdominal. Já casos de artrose avançada não se beneficiam com estes procedimentos, e devem ser tratados com a cirurgia de prótese de quadril.

3. É possível recuperar a cartilagem do quadril?

O desgaste da cartilagem do quadril, chamado de artrose de quadril, é uma doença que afeta milhões de pessoas ao redor do mundo. Tal problema causa dor e limitações nos pacientes e por isso a idéia de recuperar a cartilagem é fantástica. Entretanto, nos dias de hoje, ainda não existe um tratamento que recupere por completo a cartilagem gasta, mas é possível aliviar a dor, aumentar a mobilidade e melhorar a qualidade da cartilagem com a aplicação de substâncias biológicas, tais como o PRP (plasma rico em plaquetas), BMAC (aspirado de medula óssea concentrado) e aspirado de gordura abdominal, que tem a função de reparar e cicatrizar tecidos com lesão.

Back To Top